'

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Coisa Linda


É, eu sei, tem dias que bate aquela bad inesperada e intrusa. Mas, já reparou como a vida é bonita? Já reparou quantas coisas boas você tem? Já reparou que muita gente gostaria de ser como você?
Já percebeu como é bom amar quando se está amando? Já percebeu como é bom chorar quando não se é correspondido? [É libertador!] Já percebeu como é bom ficar sozinha?
Já notou que chegar em casa depois de um dia cansativo de trabalho é uma das melhores coisas que existe? Já notou que quando você menos espera, algo de engraçado acontece?
Já se olhou no espelho e pensou em como é linda? Já agradeceu por todas as coisas boas que te aconteceram? Já agradeceu também pelas coisas ruins? [São elas que te fazem crescer!]
Eu não sou ninguém pra vir aqui e bancar a rainha da positividade, mas tenho que admitir que algo vem mudando dentro de mim. Algo mudou tão drasticamente que agora eu penso e não consigo encontrar algo pra reclamar. Tenho saúde, uma família que me ama, amigos queridos, um trabalho digno, uma casa pra voltar no fim do expediente... Que mais eu posso pedir pra Deus?
A vida é linda! É só olhar pra fora do mundinho de bads que a gente acaba caindo de vez em quando. [Ok, eu levei anoooos pra perceber isso, mas enfim consegui!] O negócio é mudar o pensamento agora, é amar agora, é ser boa agora, ser feliz como der.
A recompensa sempre vem.


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Bagunça


Bagunça. Essa é a primeira palavra que vem à mente quando penso na minha própria vida. Parece que tá tudo fora de ordem, fora de lugar. Mas ao mesmo tempo tá tudo tão parado... Nada acontece, nada muda.
Eu me sinto presa no tumulto do meu tédio. O ócio me parece totalmente desorganizado. Nem escrever direito eu consigo. Parece que as palavras fogem e os sentimentos não conseguem se externalizar.
Tem horas que eu acho que o que eu quero é encontrar alguém que me vire do avesso, alguém que me tire o sono e que apareça nos meus sonhos. Alguém em quem eu pense ao acordar e antes de dormir. Alguém pra quem mandar todas aquelas canções românticas da nova MPB.
Mas, sei lá, acho que ao mesmo tempo, eu desaprendi. Será que eu ainda me lembro como faz pra viver junto? Será que eu consigo abrir mão das minhas noites insanas fazendo besteira, ou aquelas em que eu desligo o celular apenas pra ficar sozinha em paz?
O fato de não ter um compromisso me confunde. Eu não sei exatamente o que fazer com toda essa liberdade. Acho que eu preciso de algo grande acontecendo pra sentir que a vida tá andando. Quando nada acontece, apesar de tudo estar no lugar, me dá a impressão de que tá tudo errado, tudo do avesso, não é natural.
Meu maior desgosto é que tudo isso depende de algo externo e que eu não posso controlar. ALGUÉM. Minha organização bagunçada depende de alguém chegar e mexer com as minhas estruturas... O difícil é esse alguém chegar. Não um qualquer, “aquele” alguém.

Ah, cara, chega logo. Tá tudo um marasmo por aqui.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Leituras de Janeiro/2018


Agora em Janeiro comecei a ler várias coisas ao mesmo tempo. Será que dou conta? Kkkk
  
365 dias extraordinários
Lindo, lindo, lindo! Uma frase marcante por dia, o ano todo.


Todas as respostas – Max Gehringer
Também é um desses com textos curtos para ler diariamente, só que fala sobre o mundo dos negócios e como a própria Bíblia pode nos responder questões do dia a dia de trabalho.

As 5 linguagens do amor – Gary Chapman
É quase um manual sobre o casamento (e eu tô solteirinha da Silva, kkkkk), mas é bacana como o autor explica sobre as principais linguagens do amor, como identifica-las na outra pessoa e, principalmente, como usar esse conhecimento pra melhorar as relações.

A verdadeira história de Maria Madalena – Dan Burstein & Arne J. de Keijzer
Eu nunca tinha ouvido falar desse livro, até que um amigo resolveu me mandar um de presente à distância. E não é que estou gostando? Fala como a mulher já foi vista com reverência nos tempos antigos, e como se tornou subjugada assim como nos nossos tempos atuais.

Leituras 2º semestre/2017


Que vergonha! A última vez que postei sobre minhas leituras foi em Junho de 2017!
Bom, tá na hora de atualizar isso... essas foram minhas leituras de Julho até Dezembro:

Como fazer amigos e influenciar pessoas - Dale Carnegie
Um dos principais livros usados nos cursos de coaching, fala sobre o poder dos relacionamentos interpessoais e como é possível influenciar as pessoas sobre suas opiniões. Apesar de antigo, é bem bacana.

Antologia Poética - Carlos Drummond de Andrade
Não preciso nem dizer nada, né? Amo Drummond! Poesia alimenta a alma!

20 e poucos anos – Linda Papadopoulos
Super interessante a forma como a autora descreve as angústias e anseios dessa idade. Psicóloga, ela juntou sua experiência de consultório para aconselhar moças de 20 e poucos anos e nos mostrar que não estamos sozinhas nesse barco furado!

Não se enrola, não – Isabela Freitas
Pode ser modinha, mas eu adoro essa coleção da Isabela Freitas. É muito engraçada e a personagem é “gente como a gente” nas suas trapalhadas amorosas.

Descubra seus pontos fortes – Marcus Buckingham & Donald O. Clifton
Esse livro é baseado em um estudo do Instituto Gallup sobre comportamento pessoal e vem com um código para fazer o teste oficial no site deles. Com o resultado em mãos, você pode comparar no livro as explicações sobre cada ponto forte e como desenvolvê-lo.

O código Da Vinci – Dan Brown
Fazia muuuito tempo que eu queria começar essa saga do Robert Langdon e ficava enrolando. Li só o primeiro e já me apaixonei! A busca pelo Santo Graal e a restauração do sagrado feminino me cativou. Só quero ler mais e mais!

Philia – Pe. Marcelo Rossi
Philia, em grego, é uma das denominações do amor. Essa denominação se refere ao amor fraternal, então o livro é bem focado em relacionamento interpessoal. Vale a pena!


Jornadas de Ruptura - Tenny Pinheiro
Legal pra quem se interessa em novidades tecnológicas e/ou que alteram o status quo. É quase uma enciclopédia de atualidades em um livro fininho.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Bom velhinho

Quando eu te conheci, achei que tinha ganhado meu presente de Natal adiantado. Sei lá, será que era possível ganhar o presente de fim de ano no mês de julho?
Quando eu te conheci, achei que finalmente tinha encontrado um cara legal com quem dividir meus dias. Mas a vida tem suas maluquices e a gente se afastou. Não era sua hora, né? Você não estava / está pronto. Eu entendo, porque também passei por momentos assim.
O f*** é que eu penso em você. Penso em como poderia ter sido, penso em nós dois assistindo seriado no seu apartamento recém-mobiliado (ou tentando). Penso nas suas tatuagens contrastando com a pele branquinha. Penso em como você realmente parece ser o cara ideal, se não tivesse passado por tanta coisa na vida.
Uma rosa sem motivo no carro, o chocolate no primeiro encontro, a carona no meio da madrugada, missa no fim do domingo... Sim, você poderia ser o que eu sempre quis.
Às vezes me dá vontade de te mandar uma mensagem curta e grossa e em CAPS LOCK dizendo “Para de ser bobo, esquece esse passado negro e vem ser feliz”. Mas aí eu me controlo. E então eu me lembro do seu rosto perto do meu enquanto a gente dançava naquela festa, penso na aventura daquela noite e no teor da nossa conversa naquele café.

Para, vai. Para de ser bobo. Eu quero ser feliz.